Mensagem & Reflexões (por Mãe Nazareth)

Ser Cigano
(Por: Maria Nazareth Dória, extraído do livro “Vale dos Amores”, lançado em julho de 22)

- Santa Sara Kali (XVI Festa Cigano)
Foto: Ricardo Macimiano

Não é apenas se vestir com belas indumentárias, encher o pescoço, os braços e os dedos de luxuosas peças. Não é apenas se exibir nos movimentos de danças, mostrar diferenças que de fato não existem entre os seres humanos.
Ser cigano é manter-se digno diante das dificuldades do seu povo, é sustentar-se e manter-se na cultura e nas tradições dos seus antepassados, é honrar o seu povo.
Ser cigano é abrir os braços para o universo, é amar por toda sua vida enquanto pelas estradas caminha com a mesma alegria que Deus lhe deu para vir ao mundo.
Ser cigano é despertar em outras culturas, em outros irmãos, a essência simples e verdadeira da alegria e da felicidade de apenas existir.
O cigano é admirado pelo homem grande de espírito, invejado e copiado pelos pequenos de espírito.
Os ciganos são tão superiores e bondosos que eles não imitam ninguém, não roubam os espaços nem as ideias dos não ciganos, mesmo tendo a certeza de que muitos se aproximam deles não pelo desejo de conhecê-los e ajudá-los, mas no ensejo de colher suas essências sagradas e vendê-las como sendo relíquias.
Porém, é bom lembrar que o índio e o cigano, senhores que atravessam todos os continentes, não deixaram por escrito de onde trouxeram os seus conhecimentos e certamente esses valores da alma cigana e indígena são passados àqueles que caminham com eles pelas matas e estradas – estes sagrados povos não deixaram o sagrado jogado nas mãos de qualquer um.
Com todo o meu respeito e amor pelos espíritos ciganos e pelos ciganos encarnados, saúdo Santa Sara Kali pedindo proteção para o seu povo. Salve os Ciganos de Luz!