Mensagem & Reflexões (por Mãe Nazareth)

Começar de novo...
(por: Maria Nazareth Dória - Maio/2006)

Imagem: Internet

Tudo o que você plantou na vida, na esperança de colher bons frutos, inesperadamente veio um vendaval e levou embora?
Você quer desistir de tudo? Sente vergonha, desgosto, mágoa e tristeza? Rolou montanha abaixo perdendo seus bens materiais? Foi roubado e traído? Foi abandonado? < Perdeu os amigos? Os amores? Só por isto quer morrer?
E sua vida, não vale nada?
Mantenha a calma! Não estamos neste planeta somente para acertar ou ganhar! Errar e perder também faz parte desse jogo de Deus. Anime-se, há sempre uma saída! Ninguém traz consigo um certificado de qualidade, por mais cauteloso e atento que nos preparemos para ser, estamos sujeitos a comprar gatos por lebres de vez em quando na vida!
Levante-se, arrume forças e saia de dentro dessa esfera de desânimo e de tristeza. Valerá a pena investir em você mesmo! Não se algeme, não se entregue, siga! Se tiver que chorar que chore, gritar que grite! Chute o vazio, bata o pé no chão, engula em silêncio o fel que Cristo também bebeu: as lágrimas! Se desfaça daquilo que vai lhe causar peso nas lembranças. Se cair? Levante-se! Se não conseguir se levantar, se arraste, mas prossiga, não pare!
Lembre-se que ninguém pode decidir por você o que fazer de sua vida, a não ser você mesmo. Nestas ocasiões encontrará poucos amigos que lhe estenderão as mãos, a maioria daqueles que caminharam ao seu lado, fugirão para não serem reconhecidos como os seus amigos. Não faz mal, eles voltarão e você saberá como lidar com eles! No fundo todos nós queremos sentir o sabor da vitória e da desforra!
A cada dia que amanhecer, você vai descobrindo que é para frente que se anda e conforme andamos, vamos encontrando pessoas melhores ou piores. Estamos aptos em reconhecê-los. Vamos separando o joio do trigo e começando uma nova história. Você vai aprender a viver de novo!
Pelas estradas que forem ficando para trás, vá colocando uma cerca imaginária. Assim não haverá perigo nem de você retornar e nem de facilitar a passagem de seus inimigos.
Conforme for se fortalecendo, vá enterrando os “mortos-vivos” que ainda sobraram dentro de você. Se livre de todos eles da seguinte forma: cada vez que a lembrança vier do “morto-vivo”, imagine que esta lembrança é o caixão, sem raiva, sem medo e sem remorso. Retire o sentimento do seu coração, coloque dentro desta lembrança e incinere ou enterre. Faça o que achar melhor, livre-se desses fantasmas e deixe a porta do seu coração aberta.
A vida nos oferece a oportunidade de começar de novo... E quando começarmos tudo de novo, a sensação é sempre melhor! É a sensação do “Novo”. Feche os olhos e abra o seu coração. Permita-se ser feliz!