Orixás do Mês de Junho

13 – Santo Antônio

Imagem - Internet

Dia 13, comemora-se o dia de Santo Antônio (Xangô). Fiéis fazem promessas e novenas, renovam seus pedidos de fé ao glorioso Santo Antônio. Santo Antônio foi o santo que mais soldos(fundos) somou para a igreja Católica. Na época das Cruzadas e do Cristianismo, sua fama correu o mundo como santo guerreiro, protetor dos mais fracos e desvalidos.
No Brasil tem muitos fiéis que vieram com os portugueses e se espalhou entre nós até os dias de hoje. Dizem que ele costumava benzer os pãezinhos e o vinho para os doentes e fracos curando-os. Benzia as terras e o trigo crescia sadio. Benzia as crianças, os meninos tornavam-se fortes e as meninas moças prendadas, onde suas mães imploravam a proteção para seus filhos, para os homens que voltavam heróis de suas batalhas, para as mulheres arrumarem bons maridos. Esta cultura continua entre os povos. Acendem-se velas, fazendo-se muitas simpatias, conforme aprendemos com nossos Pretos Velhos, africanos adoradores deste santo.
Conta-se que Santo Antônio sempre foi invocado para protegê-los dos castigos dos senhores. Que Santo Antônio era aceito pelos brancos como o maior santo de todos os tempos, já que São Benedito era santo dos negros. Estes, os “negros” faziam seus trabalhinhos encomendados a Santo Antônio, disfarçado por São Benedito, uma vez que eles não podiam venerar o santo dos brancos. Seus trabalhos foram e continuam sendo um mistério, precisamos merecer muito sua confiança para que possamos entender suas linguagens discretamente disfarçadas.

24 – São João

Imagem - Internet

Dia 24, comemora-se o dia de São João Batista - Xangô (não confundir com João Evangelista, o Apóstolo de Cristo).
Filho de Isabel prima de Maria, a mãe de Jesus, nasceu alguns meses antes de Jesus Cristo. Um vale separava as casas das primas, as duas grávidas, já não podiam caminhar muito e então fizeram um pacto: assim que Isabel desse à luz, uma fogueira seria acesa anunciando que tudo correra bem no parto. E assim foi feito, no dia 24 de junho a noite estava clara e o céu límpido e estrelado, quando surgiu uma luz imensa vindo do lado da casa de Isabel: João Batista acabara de nascer, era um belo menino.
João Batista se destaca entre os meninos de sua idade; sério, compenetrado, apreciava a natureza e a beleza do céu. Ainda muito jovem ele deixou a casa dos pais atendendo ao chamado de Deus. Renunciou ao conforto de sua casa e as paixões carnais para entregar-se ao trabalho da obra de Deus, passando anos no deserto, retornando como “o profeta que pregava e anunciava a chegada do Messias”. Ele batizava multidões em nome do Espírito Santo de Deus e dizia estar ali esperando pelo Mestre.
Foi numa tarde bonita e ensolarada, às margens do rio Jordão onde aconteceu o encontro dos primos: João Batista e Jesus Cristo que ajoelhou-se nas águas do Jordão e pediu que João o batizasse em nome do Pai.
João reconheceu o Mestre como sendo o Messias. Atendendo ao pedido do Mestre, batizou Jesus em nome do Divino Espírito Santo.
João Batista foi decapitado pouco tempo depois por capricho de Salomé, filha da rainha e enteada do rei. Combinada com sua mãe que tentava esconder do rei os maus procedimentos, Salomé dançou maldosamente para um rei alcoolizado que prometeu a ela qualquer coisa que pedisse naquela noite. Tudo já estava esquematizado, ela pediria a cabeça de João Batista que estava preso por condenar a fornicação e a prostituição, hábitos normais na família real, especialmente na conduta da vida da rainha.
O rei simpatizava com as teorias de João e pretendia estudá-las melhor. Todas as ocasiões em que esteve com ele saíra impressionado com suas palavras.
O rei ficou abalado com o pedido da moça, mas a palavra de um rei não podia voltar atrás e assim, João foi decapitado e sua cabeça exibida numa bandeja de prata. Na Umbanda, São João Batista está associado à linha de Xangô.

29 – São Pedro

Imagem - Internet

Dia 29, comemora-se o dia de São Pedro.
O rude e nervoso pescador que só conhecia a rede, o peixe e o mar, tornou-se o administrador dos tesouros do céu e da terra.
Pedro deixou para trás a família, a rede, o peixe e o mar, para seguir Jesus de Nazaré que com poucas palavras lhe convenceu que na terra só estamos de passagem. Ele prova que nós não precisamos ter muitos cursos técnicos aqui na Terra para nos tornarmos um bom administrador das obras de Deus. Basta ter boa vontade, fé, moral, dignidade e um verdadeiro mestre para qualquer um de nós sermos um bem sucedido administrador do Pai Maior aqui em Terra. Pedro foi aquele fiel que jamais duvidou da palavra do seu Mestre, na alegria e na dor ele esteve presente com o mestre dos mestres da ciência da vida e do amor.
Na Umbanda São Pedro está associado à linha de Xangô.
Observação: Na Umbanda, muitos outros santos estão associados à linha de Xangô: São José, São Jerônimo, São Bartolomeu, São Lourenço, dentre outros.